DA NOITE MAIS OBSCURA

DA NOITE MAIS OBSCURA
caminho desnudo pela casa
de paredes cobertas por borboletas
reluzentes sob a luz baça

brisas loucas me afagam o rosto
os olhos a fitar a noite de silêncio
só o arco desenhado pela luz
desce sobre as árvores

Ao longe, insípida,
a escuridão é perfurada
pelo canto dos grilos

espero a claridade das manhãs
pleno de versos que semeei
há paz porque não há esperança

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s