Um a Um

No fundo de minha alma dormem assassinos

Enquanto um estrategista arma o plano

para eliminar, um por um, meus desafetos

Vejo o início da descida

de onde sobem rumores e risos,

estaremos sempre juntos, ela disse,

com sua maneira doce de mentir,

ternura maquiada nos olhos

carmim barato nos lábios,

mãos ágeis de cartomante

uma escorrega sobre meu pau

a outra consuma o furto

enquanto sua boca murmura

juras de folhetim ordinário

Não se deve rir alto demais

para não entediar os deuses

nem lamentar as perdas.

A tristeza está nas linhas

do distante e do impossível.

Eu agora me dispo da tristeza

e a deixo ao pé da cama

como um cão fatigado

que irá se recompor

chamado pela solidão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s